07/10/2011

Branco

HK Associates Inc



Minimalismo

Benefícios de uma casa minimalista 

1.     Menos stressante. A desarrumação ou os espaços muito cheios são, em si, uma forma de distracção visual – há sempre algo a chamar a nossa atenção e, muitas vezes, da pior maneira possível. Quanto menos “coisas” tiver, menos stress visual terá. Uma casa minimalista tem um efeito calmante.

2.     Mais apelativa. Pesquise e compare fotografias de casas onde não cabe nem mais um alfinete com fotografias de casas minimalistas. Aquelas que pouco ou nada têm, à excepção de mobiliário bonito, algumas peças de arte bem escolhidas, elementos decorativos elegantes mas em pouca quantidade, são aquelas que nos seduzem mais. Pode tornar a sua casa mais apelativa, tornando-a mais minimalista.  

3.     Mais fácil de limpar. Quantas mais coisas tivermos em casa, mais difícil se torna a limpeza da mesma, uma vez que não é fácil limpar uma prateleira cheia de objectos ou aspirar um quarto que tem mais mobília do que o necessário. Pense no quão fácil seria limpar um quarto vazio em oposição a um quarto que tenha 50 objectos – claro que este é um exemplo extremo, mas serve para ilustrar este ponto.

As principais características de uma casa minimalista

·         O mínimo de mobiliário. Qualquer espaço minimalista requer apenas algumas peças de mobília essenciais – numa sala, por exemplo, podemos considerar um sofá, uma poltrona, uma mesa de apoio e uma mesa simples para a televisão (sem muitas prateleiras) e alguns candeeiros como sendo mais do que suficiente. No fundo, um quarto minimalista necessita apenas de uma cama, uma cómoda e mesas-de-cabeceira. O indispensável.

·         Superfícies despojadas. Numa casa minimalista, todas as superfícies lisas são despojadas, com a excepção de uma ou duas peças decorativas (ver ponto seguinte). As superfícies não estão cobertas de pequenos objectos, pilhas de livros, revistas ou papeis.   

·         Apontamentos decorativos. É claro que uma casa completamente vazia não seria muito atraente, pelo contrário, tornava-se até um pouco entediante. Em vez de ter uma mesa de apoio vazia, coloque um vaso com flores frescas; uma secretária sem nada pode ser adornada com uma bonita moldura; ou uma parede vazia preenchida com um quadro fabuloso. Menos é mais.

·         Qualidade em vez de quantidade. Em vez de encher a sua casa do chão ao tecto, um minimalista escolhe poucas peças, geralmente aquelas que adora e vai utilizá-las vezes sem conta. Por exemplo, uma estante vintage pode ser muito mais apelativa do que várias estantes pré-fabricadas.

Como criar uma casa minimalista

·         Uma divisão de cada vez. A não ser que se vá mudar para uma casa nova, é difícil simplificar uma casa inteira de uma só vez. Concentre-se antes numa divisão de cada vez, permitindo que esse espaço seja o centro da sua tranquilidade. Utilize-a como inspiração para simplificar o próximo quarto e o próximo… e depois o exterior da casa.  

·         Comece com a mobília. Os elementos de maior dimensão num qualquer espaço são sempre o mobiliário, por isso, deve começar por aí: simplificar um quarto significa olhar para a sua mobília e determinar o que pode ser eliminado sem prejudicar conforto e funcionalidade. Quanto menos mobília tiver melhor e escolha linhas simples, agradáveis, em cores sólidas e suaves.

·         Apenas o essencial. Seja uma peça de mobília ou qualquer outro objecto, saiba olhar para as coisas num determinado espaço e perguntar-se se é realmente essencial. Se consegue viver sem ele, retire-o. Tente despojar todas as divisões até restar apenas o seu essencial – mais tarde pode sempre adicionar alguns objectos de eleição e de qualidade, claro. 

·         Chãos despojados. Para além da mobília, não deve ter absolutamente mais nada no chão – seja livros, revistas, objectos por arrumar ou caixas cheias de coisas das quais já nem se lembra. Aqui tem três opções: deite fora/recicle, doe ou armazene nalgum sítio longe da vista.

·         Superfícies despojadas. O mesmo princípio deve ser aplicado às superfícies, ou seja, nada para além do essencial e uma ou duas simples decorações (veja o ponto 10). Mais uma vez deite fora/recicle, doe ou armazene. As superfícies despojadas são uma das principais características de uma casa minimalista.

·         Paredes despojadas. Existem pessoas que gostam de cobrir as paredes das suas casas com tudo e mais alguma coisa – o que não tem nada de minimalista. Mantenha as paredes imaculadas, excepto uma ou duas obras de arte espectaculares (veja o ponto 9).

·         Guarde as coisas longe da vista. Este ponto já foi várias vezes mencionado acima, no entanto, é importante reforçar que tudo deve ter o seu próprio local de arrumação, seja em gavetas ou armários. As prateleiras devem ser utilizadas para organizar livros, CDs e DVDs, mas não devem ter muito mais além disso.

·         Locais de armazenamento. Uma vez que vai simplificar e organizar, atribuindo um lugar específico a cada coisa, é igualmente importante tornar as gavetas e armários de armazenamento também eles minimalistas. No entanto, se preferir, este processo de eliminar, doar ou reciclar pode ser feito numa segunda fase.

·         Arte simples. Para evitar que as divisões da casa se tornem demasiadas “desenxabidas” pode perfeitamente pendurar uma pintura, uma ilustração ou uma fotografia em cada parede, de preferência numa moldura simples e em tons suaves. Porém, se possível, mantenha algumas paredes vazias. 

·         Decorações simples. Como já foi mencionado acima, um ou dois apontamentos decorativos são o suficiente para um quarto minimalista – uma jarra de flores ou uma planta são dois bons exemplos. Se grande parte do espaço ostenta cores suaves, os apontamentos decorativos podem ser de tons mais fortes, caso do vermelho ou amarelo, para avivar um pouco o espaço.

·         Janelas discretas. Janelas despidas ou então vestidas com cortinas ou estores simples e de uma só cor são o ideal – janelas demasiadamente ornamentadas são uma distracção visual.

·         Padrões básicos. As cores sólidas são as melhores para tapetes e carpetes (se escolher tê-las), mobília, têxteis-lar… Padrões mais complexos, como os florais, estampados, quadrados ou riscas também contribuem para o ruído visual.

·         Cores discretas. Como já foi mencionado acima (ponto 10), não há nada de errado em ter um apontamento colorido numa qualquer divisão, porém, a restante decoração deve privilegiar tons mais discretos. O branco é uma cor minimalista clássica, mas na realidade qualquer cor sólida que não incomode a vista pode ser utilizada (azuis, castanhos, beges, verdes…). 

·         Edite e elimine. Depois de ter simplificado uma divisão, a verdade é que provavelmente consegue minimizá-la ainda mais. Deixe passar alguns dias e volte a olhar para esse quarto com outros olhos: o que pode ser eliminado? Armazenado? O que não é essencial? Repita este exercício duas ou três vezes por ano.
Desfrute. Depois de ter simplificado um quarto, pare um momento, olhe à sua volta e desfrute do espaço que acabou de criar. Não há nada mais pacífico ou satisfatório do que uma casa minimalista.

17/07/2011

Lapa Palace


Construído no século XIX, este luxuoso palácio está envolvido no topo de uma das 7 colinas de Lisboa com vista para o rio Tejo e apresenta-se aos seus hóspedes como o local ideal para uma estadia inesquecível em Lisboa.


Rodeado por inúmeras embaixadas, o Hotel está inserido num majestoso jardim sub-tropical. Desfrute do Sol de Lisboa junto à piscina ou visite o Spa, onde pode cuidar de si durante horas e relaxar junto da piscina interior

A Decoração tradicional e elegante de cada quarto é um refúgio após um dia de trabalho ou de lazer. Admire a vista panorâmica a partir do conforto da sua varanda ou desfrute de um longo banho na sua banheira em mármore.

Graças à conveniente localização do Palácio, o centro de Lisboa fica apenas a uns 5/10m de distância. Pode estacionar o seu carro gratuitamente no parque privativo do Hotel enquanto se delicia no restaurante. Entretanto, o concierge tem o prazer de organizar diversos serviços para si, incluindo a utilização da sala VIP.
As imagens falam por si.



Estas foram tiradas por nós.  :)



 

13/07/2011

Palavras para quê?

Pousadas de portugal - Crato

Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa no Crato.
Situado na aldeia de Flor da Rosa, a 2km do Crato, ( 10,4 Km2 de área e 328 habitantes) o Mosteiro da Ordem do Hospital de Flor da Rosa, fundado em 1356, é o mais importante monumento da região e um dos mais emblemáticos exemplos de Mosteiro fortificado existentes em Portugal e nele está implementada uma das mais conceituadas Pousadas do País.

Em 1232 o Rei D. Sancho II doou a povoação do Crato à Ordem dos Hospitalários. Foi em 1340 que a sede da Ordem do Hospital foi alterada de Leça do Bailio ou de Belver, para o Crato, tendo logo o Prior do Crato, D. Álvaro Gonçalves Pereira, decidido fundar uma Capela na localidade. Com o crescimento da Ordem é então erguido este Mosteiro, casa-mãe da Ordem em Portugal, fundado em 1356.
A partir do século XVI a Ordem do Hospital passou a denominar-se Ordem de Malta, nome que ainda hoje conserva.

Este Mosteiro é composto por três edificações distintas: a igreja-fortaleza de estilo Gótico, um paço-acastelado gótico, já com alterações quinhentistas, e as restantes dependências conventuais já renascentistas e mudéjares.
Todo o conjunto tem sido alterado ao longo dos séculos, nomeadamente nos século XVI e XVII e mais tarde no século XX, onde houve uma maior preocupação de preservação do plano original gótico. De facto, já no tempo do Rei D. Manuel I o espaço monástico é alargado para um maior número de aposentos, transformando-o num Paço Real, e com o grande terramoto de 1755 e um temporal devastador em 1897 que se fez sofrer na área, o conjunto teria sofrido grandes desgastes.
O Mosteiro da Ordem do Hospital de Flor da Rosa foi classificado em 1910 Monumento Nacional, e na década de 40 começam as obras de restauro. Mais tarde, em 1991 iniciam-se os trabalhos de reconversão para Pousada de Portugal, pelo Arquitecto João Luís Carrilho da Graça, aberta ao público em 1995 e transformando-se este legado patrimonial numa das mais aclamadas Pousadas do País.
Um Castelo, um Convento e o Paço Ducal, todos construídos em distintas épocas, deram origem a uma obra de arquitectura ecléctica, com uma harmonia de beleza incomparável.
Neste hotel de luxo no Crato consegue-se respirar, em cada recanto, todo o misticismo medieval uma vez que o antigo Convento-Sede do Prior do Crato pertenceu à Ordem Religiosa-Militar de Malta.
A Pousada Flor da Rosa soube potenciar ao máximo as características mais genuínas do monumento e pode considerar-se como uma intervenção arquitectónica brilhante que, para além de ser moderna, soube respeitar integralmente as suas origens.




Havia em tempos muitos antigos um pequeno lugarejo, onde vivia um cavaleiro de nome ilustre, muito estimado por fidalgos e povo. Ora este cavaleiro adoeceu gravemente e soube-se que poucos dias lhe restavam. Como era muito estimado, iam-lhe levar presentes. Entre as pessoas que o visitavam, uma chamada Rosa levou-lhe uma flor do seu nome.Foi para o cavaleiro a melhor visita e a mais bela prenda, pois ROSA era sua noiva. Todas as pessoas esperaram a morte do cavaleiro, mas o destino é por vezes traiçoeiro e foi ROSA que morreu, tendo-se ele salvo.Desde esse dia, o cavaleiro era muitas vezes encontrado a chorar junto da campa da sua noiva. Então os desgostos matam-no. Mas nos últimos momentos da vida faz dois pedidos: Queria que a flor que ROSA lhe oferecera o acompanhasse à sepultura e que fosse dado àquele lugar o nome de FLOR DA ROSA em homenagem à sua amada.

Imagens que gosto